Prato – João da Baiana


Prato – João da Baiana

Instrumento musical

Prato raso, originalmente na cor branca, pintado de dourado, tendo a inscrição: “João da” e a imagem de uma baiana (ambos ao centro). Acompanha pequena vareta torneada. Objeto utilizado por João da Baiana como instrumento de percussão.

Detalhes do Acervo

Dimensões: D 21 cm
Técnica: Moldagem
Suporte: Porcelana
Data: década de 1950
Coleção Almirante. Acervo MIS.

João Machado Guedes

João da Baiana com prato e faca. Ano: s.d. Foto sem assinatura. Coleção Almirante. Acervo MIS.

João Machado Guedes (1887 – 1974) era o caçula e único carioca de 12 irmãos. Sua mãe, conhecida pelo nome de Tia Perciliana, era baiana, daí surgiu seu apelido. Na infância, teve como companheiros os futuros compositores Donga e Heitor dos Prazeres. Em 1908, quando se apresentava na tradicional Festa da Penha, teve seu pandeiro apreendido pela polícia. O senador Pinheiro Machado, que era seu admirador, e que frequentemente promovia festas em “seu” palácio no Morro da Graça, o convidou para uma dessas festas, e, como o músico não apareceu, quis saber o porquê. Ao saber que o instrumentista tivera seu pandeiro apreendido, resolveu presenteá-lo com um novo pandeiro, que trazia a seguinte inscrição: “Com a minha admiração, ao João da Baiana – Senador Pinheiro Machado”. Com essa dedicatória o músico passou a escapar ileso das averiguações policiais que, naquela época, costumavam levar os sambistas para a prisão “por vadiagem”. João da Baiana é tido como o introdutor do pandeiro no samba. Ele também foi o primeiro a ser visto raspando a faca no prato, criando o inusitado instrumento musical que acabou se popularizando mais tarde.​

Deixa eu te contar…

Em 1966, João da Baiana foi convidado por Ricardo Cravo Albin para realizar o primeiro depoimento para a posteridade do Museu da Imagem e do Som, que não só abriu o ciclo como também definiria a estrutura principal do museu junto à opinião pública de todo o país. Esse seu histórico depoimento obteve grande repercussão na imprensa e deu por inaugurado, junto à mídia, o próprio museu, então desconhecido. Segundo seu relato, ele foi o responsável pela introdução do pandeiro no samba: “na época o pandeiro era só usado em orquestras. No samba quem introduziu fui eu mesmo. Isto mais ou menos quando eu tinha oito anos de idade e era Porta-machado no ‘Dois de Ouro’ e no ‘Pedra do Sal’. Até então, nas agremiações, só tinha tamborim e assim mesmo era tamborim grande e de cabo. O pandeiro não era igual ao atual. O dessa época era bem maior”.

Galeria de Imagens

Prato do João da Baiana Fonte: Michael Marques
Detalhe da pintura e assinatura do Prato do João da Baiana Fonte: Michael Marques
Detalhe da louça original antes pintura Fonte: Michael Marques
João da Baiana com prato e faca. Ano: s.d. Foto sem assinatura. Coleção Almirante. Acervo MIS
João da Baiana enquanto dança com prato na mão. Ano: s.d. Foto sem assinatura. Coleção Almirante. Acervo MIS

“Batuque na cozinha sinhá não quer
Por causa do batuque eu queimei meu pé​”

Trecho de Batuque na Cozinha, samba de João da Baiana, Pixinguinha e Clementina de Jesus