MIS Blog/

Ary Barroso do Brasil

07 de novembro de 2013


 

Se vivo estivesse, Ary Barroso estaria completando, em 2013, 110 anos. O genial compositor de “Aquarela do Brasil”, “Na Baixa do Sapateiro”, “No Rancho Fundo” (parceria com Lamartine Babo), “Faceira”, “Camisa amarela”, “É Luxo Só”,  “Risque”, “Morena Boca de Ouro”, “Pra machucar meu coração”, “Vamos deixar de intimidade” foi também um grande homem do rádio, descobridor de talentos em programas de calouros, e um narrador nada imparcial dos jogos do seu Clube de Regatas do Flamengo. Primeiro radialista a imprimir emoção ao jogo, tinha o hábito de usar sua gaitinha na hora do gol e de comemorar aos pulos as vitórias do seu time de coração. Outros tempos… Por sua importância e seu papel transformador, o dia de seu nascimento também é o Dia do Radialista.

Nascido em Ubá, aos 18 anos se mudou para o Rio de Janeiro para estudar Direito. Mas a música e a boemia o levaram para outros caminhos. Tocou piano  em cinemas e cabarés até ingressar na Rádio Philips em 1933. Temperamental e intransigente quando o assunto era gosto musical, revelou em programas como  “Calouros em Desfile” talentos como Elizeth Cardoso, Dolores Duran e Elza Soares.

A própria Elza conta que antes de se apresentar, com a única roupa que tinha, travou o seguinte diálogo, no ar, com o apresentador.

Ary: “Menina, de que planeta você veio?”

Elza: “Do planeta fome.”

Cruel, não? Mas Ary também foi um defensor da música brasileira. Não admitia que um calouro cantasse canções estrangeiras. Em 1946 foi eleito vereador pela UDN e sua maior luta foi pela regulamentação dos direitos autorais.

Ary compôs muito para o teatro musical, e uma destas canções foi “Aquarela do Brasil”, que teve a primeira audição na voz de Aracy Cortes.

No iníco dos anos 1940, suas composições foram utilizadas nos filmes de Walt Disney “Alô amigos” e “Você já foi à Bahia”. No primeiro, em que é apresentado o personagem José Carioca (mais tarde, apenas Zé Carioca), Aloísio de Oliveira gravou “Aquarela do Brasil”, que passou a ser ouvida em diversas partes do mundo na versão original, já que Walt Disney não permitiu que ela fosse dublada. Com o nome de “Brazil”, foi gravada por nomes como Bing Crosby.

Disney, incentivado pelo Departamento de Estado Americano e a sua Política da Boa Vizinhança, que visava a estabelecer um intercâmbio com países da  América Latina, através da propaganda, das relações diplomáticas e da colaboração econômica e militar, criou “Voce já foi à Bahia?”. Neste filme, Ary contribui com “Os quindins de Iaiá”, cantada por Aurora Miranda, que em determinada cena flerta com o Pato Donald e Zé Carioca, e “Na Baixa do Sapateiro”, cantada em português por Nestor Amaral  na versão brasileira e espanhola.

Em 1953 , ele organizou a Orquestra de Ritmos Brasileiro e com ela excursionou por vários países da América Latina.

Ary Barroso morreu em 9/2/1964, um domingo de Carnaval, dia em que a Império Serrano desfilava na Avenida apresentando o enredo “Aquarela Brasileira”. Em 1988 foi novamente homenageado no carnaval carioca, desta vez pela União da Ilha do Governador com o enredo “AquARYlha do Brasil”

Ary foi o artista mais gravado por Carmen Miranda, com 30 músicas. Ao todo são conhecidas cerca de 264 composições de sua autoria. “Aquarela do Brasil” teve centenas de gravações mundo afora e, até hoje, é uma das músicas que mais produz direitos autorais no exterior.

PARCEIROS


 

Sede Administrativa
Rua Visconde de Maranguape, 15
Largo da Lapa, CEP 20021-390
Rio de Janeiro/ RJ

Sede Praça XV
Praça Luiz Souza Dantas, 01
Praça XV, Rio de Janeiro/ RJ
Rio de Janeiro/ RJ, Brasil

Tel +55 21 2332-9509/ 2332-9507 (Lapa)
Tel +55 21 2332-9068 (Praça XV)
Email: ola@mis.rj.gov.br

©

2018 MIS–RJ
Termos de uso/ FAQ
design ps.2